//
você está lendo...

Conceitos

DEFICIENTES FÍSICOS NA MAÇONARIA BRASILEIRA: UM ANTIGO TABU

DFemMEntre os vinte e cinco landmarks de Mackey, um impede o ingresso de deficientes físicos:

 

XVIII – Por este Landmark os candidatos à Iniciação devem ser isentos de defeitos ou mutilações, livres de nascimento e maiores. Uma mulher, um aleijado ou um escravo não podem ingressar na Fraternidade (GLMDF, 2008).

 

Por conta dessa “antiga regra”, provavelmente herdada dos maçons operativos, a questão do ingresso de deficientes físicos na Maçonaria brasileira tem sido um tabu.

 

Para saber mais, preencha o seu e-mail e faça o download!

 

Que tal avaliar o post?
[Média: 3]

Discussão

31 Respostas para “DEFICIENTES FÍSICOS NA MAÇONARIA BRASILEIRA: UM ANTIGO TABU”

  1. Como sempre, um artigo desmistificador e de muita relevância. Parabéns mano!

    Kennyo Ismail – Obrigado, meu irmão. Você é minha referência maçônica em Sumaré e região.

    Enviado por Rodolfo A. Germano | 8 de agosto de 2014, 17:48
  2. Excelente artigo mano Kennyo. Nossa maçonaria apesar de se considerar progressista em muitos pontos, tal qual a deficiência, é extremamente retrógrada. Espero que artigos como esse sirvam de incentivo para que possamos discutir e assim evoluir nossa sublime ordem.

    Kennyo Ismail – Mano Marcus, concordo contigo e tenho a mesma esperança.

    Enviado por Marcus Vinicius Neves Gomes | 8 de agosto de 2014, 17:51
  3. Mais um excelente artigo de nosso Irmão. Irmão que mostra por seu trabalho os caminhos que Maçonaria Brasileira deve trilhar. Parabéns. Sou seu fã.

    Kennyo Ismail – Meu irmão Acácio, obrigado pelas palavras de incentivo!

    Enviado por Acácio Siqueira | 8 de agosto de 2014, 20:27
  4. Texto muito coerente, consciente e pertinente, como todos os trabalhos do Ir.’. Kennyo. Concordo e apoio!! Muito obrigado.

    Enviado por Alexandre Amorim de Sousa | 8 de agosto de 2014, 23:56
  5. Parabéns por levantar uma Bandeira muito importante e tabu para muitos. Por favor, continue a nos abrilhantar com suas Luzes de Sabedoria.

    Mauro Alves de Oliveira
    Past Master
    A.`.R.`.L.`.S.`. FILHOS DO REI N.º 57

    Enviado por Mauro Alves de Oliveira | 9 de agosto de 2014, 0:49
  6. Meu Ir.’. Kennyo, eu sou um CODA (Children of Deaf Adults) – sigla esta usada para filhos de pais surdos -, e este artigo realmente foi brilhante e, ao mesmo tempo, emocionante.
    Em conversas com meu pai, ele me perguntava do porquê a Maçonaria não aceitar pessoas surdas na Ordem, e ele tinha essa crítica de que a Maçonaria era discriminante às pessoas com deficiência. Como é que poderia explicar a cerimônia da iniciação e o uso fundamental do sentido da audição sem comprometer os juramentos de sigilo? E, sem graça, ficava calado e não tinha o que responder. Vou repassar ao meu pai e ele ficará muito contente com este artigo. Obrigado por contribuir com a nossa Ordem, querido irmão! TFA

    Enviado por Henri Marques | 9 de agosto de 2014, 10:22
  7. Trabalho de peso Irmão Kennyo!
    Trabalhos como esse me ajudam a entender a construção epistemológica que a Maçonaria no Brasil muitas vezes desenvolve. Nada como uma comparação mais ampla, cosmopolita! Sinceros e merecidos parabéns!

    Fiel e sinceramente,

    Edson

    Enviado por Edson Cardoso Ribeiro Junior | 9 de agosto de 2014, 21:54
  8. Parabéns Ir:. KENNYO. Assunto ainda tabu para os maçons. Concordo integralmente com a posição de encararmos a proibição estatuída nos Landmarks, como simbólica. Cada caso é um caso e caberia as lojas, através de comissões específicas avaliarem a possibilidade de ingresso do candidato portador de deficiência, centrada nas condições de moral e, caráter bem como se o rendimento por ele auferido é suficiente para arcar com as despesas da loja, sem prejudicar o seu sustento e, de sua família.Não há como se falar em discriminação exercitada pelas obdiências haja vista o que dispõe a Constituição brasileira vigente. Diria que o tema, moderno e polêmico para alguns irmãos precisa ser discutido, analisado pelos membros da loja e, em primeiro lugar pelas administrações das potencias simbólicas. Diria eu que há a necessidade da existencia do que se chama VONTADE POLÍTICA. O resto, prender-se-ia a alterações nos textos dos rituais. TFA, CLEVERSON JULIÃO. Mestre Instalado – Luzes de Iguabinha 3073.

    Enviado por CLEVERSON CAVALCANTE JULIÃO DE SOUZA | 11 de agosto de 2014, 9:13
  9. Mais um brilhante trabalho no esquadro, irmão Kennyo! Na minha Loja, Tiradentes nº 65, ES, nós temos um irmão, Marcos, que sofreu um AVC e por conta disso tem que usar muletas e tem muita dificuldade para andar. Mas nem por isso ele abandonou a nossa Ordem e nem qualquer irmão do quadro pediu que ele saísse. Pelo contrário, o irmão Marcos é um dos mais queridos e assíduos de nossa Loja.

    Enviado por José Carlos Batista | 11 de agosto de 2014, 16:33
  10. Meu Ir:.

    Como é bom receber uma Peça de Arquitetura com tamanha grandeza.
    Estamos engajados nessa luta há vários anos e, por incrível que pareça, o combate aos preconceitos parece ser ao inverso. Todavia, não podemos nos decepcionar, haja vista que mais que circulações, devemos demonstrar na prática que somos sensíveis ao bem e, aos dias de hoje, resta inadmissível, para não dizer vergonhoso, termos que estar debatendo situações como estas. Convido a todos para visitarem um site de estudos sobre o assunto, onde já desenvolvemos palestras e levamos a cabo a ideia de atitude efetiva da Loja em não mais considerar essa barreira. Entretanto, recebemos retorno de que nosso esforço de nada valeria em face de nossa legislação. Ledo engano, pois, estamos ainda mais altivos e ativos para, realmente, quedarmos em paz com a justiça de nossa consciência, que vai muito além dos “achismos” que normalmente encontramos como resistência. T.F.A. – Santiago, RS, 12 de agosto de 2014 – Alfredo Bochi Brum.

    Enviado por Alfredo Bochi Brum | 12 de agosto de 2014, 16:37
  11. eu sou filho de maçon eu ajo que todo deficientes fisicos devem ser aceito na maçonaria brasileira sim

    Enviado por paulo sergio pinho | 13 de agosto de 2014, 15:41
  12. Ir.’. Kennyo, mais uma vez um belíssimo artigo, e como sua intenção é gerar a reflexão pergunto:

    Pode ser possível quando da elaboração do referido landmark, Mackey ter restringido os que possuem defeitos ou mutilações, por não conseguirem executar os ss tt e pp?
    Ou ainda por não se ter deficientes na maçonaria operativa?
    TFA
    Márcio Martins

    Kennyo Ismail – Obrigado, Ir.´. Márcio. Quanto ao Mackey, importante dizer que, desde quando ele publicou sua lista de Landmarks, não houve um único intelectual de Maçonaria que tenha concordado com seu compêndio. Até mesmo Albert Pike criticou os Landmarks de Mackey, em 1888. O famoso Henri Wilson Coil, autor da Coil’s Encyclopedia, também o fez, em 1961. Apesar de vários autores louvarem a iniciativa de Mackey, consideram que muitos dos landmarks elencados por ele foram frutos de sua criatividade, e não baseados nas antigas tradições. Acredito que não há registros do que motivou Mackey a determinar cada Landmark. Entretanto, creio que suas duas hipóteses levantadas são extremamente plausíveis.

    Enviado por MÁRCIO MARTINS.'. | 13 de agosto de 2014, 23:10
  13. eu sou filho de maçom. eu entrei no blog da maçonaria No esquadro. eu li varios comentarios que deficientes fisicos podem entrar para maçonaria. eu sou a favor de aceitarem deficientes fisicos na maçonaria sim. paulo sergio

    Enviado por paulo sergio pinho | 19 de agosto de 2014, 16:20
  14. meu ir. para que tentar mudar regras que ja vem sendo cumpridas desde os primórdios.bastante polemico a pauta.

    Kennyo Ismail – Prezado Ir. Eduardo, sugiro que leia o artigo antes para entender do que se trata. Depois que ler, terei prazer em dialogar contigo.

    Enviado por eduardo barreto | 29 de agosto de 2014, 22:26
  15. Irmão,

    Teremos nos próximos dias em loja do nosso Oriente a iniciação de um profano portador de uma deficiência física. Se me permite utilizarei a sua prancha para que os demais Irmãos tomem conhecimento do que ocorre no exterior.

    Um TFA.

    Kennyo Ismail – Irmão Marcelo, sinta-se à vontade.

    Enviado por Marcelo | 6 de outubro de 2014, 12:57
  16. Fico agradecido I.’. Kennyo, por nos honrar com o bem fundamentado e brilhante artigo. Sou filiado à Loja Luz da Serra 3893 do GOB, oriente de Moeda – MG Brasil. Se permitir, apresentarei seu Artigo em loja.

    T.’.F.’.A
    I.’. Carlinhos.

    Kennyo Ismail – Meu Ir.´. Carlinhos, muito obrigado. Sinta-se à vontade para apresentar esse ou outros artigos em Loja sempre.

    Enviado por CARLOS ROBERTO AUGUSTO DE ARAÚJO | 14 de novembro de 2014, 8:39
  17. Levitico 21, 16-24
    Fala sobre as deformidades e os trabalhos no templo.

    Kennyo Ismail – Numa sinagoga. Não na Maçonaria. A Bíblia não trata de Maçonaria e Maçonaria não é religião. E esse tipo de preconceito era aceitável na época de Moisés, mas hoje é inaceitável até mesmo na religião judaica, que possui sacerdotes deficientes.

    Enviado por cesar argolo | 25 de janeiro de 2015, 23:47
  18. Isto não é ser religião, é ser tradição, a réplica do templo de salomão em suas proporções e tudo mais que se busca no livro da lei, não é religião. Nâo podemos permitir deficientes na ordem enquanto profanos, já vi isso e a loja está por bater coluna, com certeza o GADU toma esses exemplos para colocar ordem na casa.
    Definitivamente sou contra a iniciação de deficientes.

    Kennyo Ismail – Irmão Cesar Argolo, respeito sua opinião. Faço apenas algumas breves observações. Um templo maçônico não é nem de longe uma réplica do Templo de Salomão, nem em “suas proporções” e nem em “tudo mais”. Se a presença de deficientes fosse motivo para uma Loja bater coluna, a Maçonaria dos EUA não teria um milhão e meio de membros, e a da Inglaterra não teria 200 mil. Nem mesmo existiria Maçonaria nos países anglosaxônicos, os quais aceitam deficientes há mais de 100 anos. Por fim, devo lembrá-lo que nós maçons devemos combater a ignorância, a intolerância, o preconceito e, principalmente, as superstições.

    Enviado por Cesar Argolo | 1 de fevereiro de 2015, 10:52
  19. QUERIDOS IRS:. A NOSSA ORDEM NÃO PRECISA DE FORÇA SEM RAZÃO PARA CONTINUAR PRATICANDO OS SEUS PRINCÍPIOS , PRECISA SIM DE SERES LIVRES E DE BOM COSTUMES , PRECISA DE MENTES SADIAS AREJADAS ,SEM PRECONCEITOS DE COR, RAÇA OU RELIGIÃO, NÃO DE ATLETAS, MAS DE INTELIGENCIAS ,ESTAMOS VIVENDO EM 2015 E NÃO EM 1717.

    Enviado por GILBERTO CIRILO DE MIRANDA M:. I:. | 2 de junho de 2015, 20:33
  20. Compartilho o belo exemplo dos Sobrinhos Demolay. A reflexão é válida, e necessária…
    Muito obrigado e TFA. Alexandre Amorim.

    “Belíssima imagem mostrando que a Ordem DeMolay não se importa com sua raça, religião (apenas crer em algo superior), classe social ou até mesmo com o seu “corpo”.
    Na imagem, é nosso irmão Giovanni de Caldas Novas – GO, um grande exemplo de superação.”

    Imagem no link para o Facebook:
    https://www.facebook.com/groups/319233981455914/permalink/918930901486216/?comment_id=920771224635517&offset=0&total_comments=8&notif_t=group_comment_mention

    Enviado por Alexandre Amorim de Sousa | 6 de junho de 2015, 20:48
  21. Sou portador de deficiência física e questionava ;depois cheguei a conclusão de que , o exército não nos aceita e ainda assim não questionamos. Todo preceito deve ser acatado e quem é esotérico deve saber que se não for “nesta”, pode ser numa outra futura, quem sabe?

    Enviado por Alex Lopes de Azevedo Costa | 23 de junho de 2015, 15:20
  22. A Maçonaria Universal , é progressista e como tal deve acompanhar a evolução dos tempos. Nada é mais justo e perfeito do que recepcionar Irmãos, que apesar de algum tipo de deficiência,podem compartilhar e contribuir para o crescimento da Ordem. Além de terem como participar de forma positiva, são muitas das vezes exemplos e merecem esta oportunidade. São do bem e possuem capacidade de serem M.’. autênticos e verdadeiros.

    Enviado por NELSON GONÇALVES | 20 de outubro de 2015, 14:11
  23. Interessantíssimo texto. Recentemente em uma iniciação em uma Loja perto de minha cidade, acompanhei todo cuidado que a mesma teve na iniciação de um irmão já que o mesmo apresentava uma pequena dificuldade em locomoção e em um de seus braços.
    Como conheço o iniciado de longa data, já que era um sobrinho DeMolay, vi uma vitoria em inicia-lo na Loja, já que a qualidade que tem de sobressair é a de moral e conduta irrefutável, e esta ele tem de sobra! Quem saí ganhando?, lógico a maçonaria universal.

    Enviado por Ernesto Gomes | 18 de novembro de 2015, 10:36
  24. Parabéns Ir.’. Kennyo pela brilhante peça de arquitetura. A qualidade dos artigos que escreve evidencia que o espírito maçonico se faz presente em vossa alma.Rogo ao GADU que ilumine nossos corações e mentes para que possamos rever conceitos e pré-conceitos, e permitir, desta forma, a inclusão de novos irmãos portadores de excelentes qualidades morais, ainda que com algumas limitações físicas, para a plena observância dos ideais de igualdade que propagamos, um TFA.

    Daniel Alves

    ARLS Aliança Fraternal, 3779, Or.’. de Santos, GOSP-GOB

    Enviado por Daniel Alves | 18 de janeiro de 2016, 2:02
  25. Olá IR:. Kennyo, estava buscando conhecimento navegando internet. Encontrei valiosa discussão sobre a admissão de candidato portador de deficiência física. Sabemos que existe o preconceito. Mas sabemos também que a maçonaria é uma escola iniciática, de ética, que trabalha a bem da humanidade.Onde o conceito é a Tolerancia, Fraternidade e Igualdade.Refere-se a igualdade de aceitarmos e entendermos também os desiguais fisicamente. SE mentalmente essa pessoa, é inteligente e pode dar a sua contribuição. Pra mim a maior deficiência, é a deficiência moral. E estamos passando por momentos difíceis no País,e o privilégio não é só de políticos não maçons.É só o meu ponto de vista, não estou querendo convencer da minha verdade.TFA.

    Enviado por Alzira Heringer Moreno | 8 de abril de 2016, 17:56
  26. Caro Ir Kennyo, parabéns pelo texto e concordo plenamente com o irmão.
    Porém, tenho uma dúvida quanto o tão falado Reconhecimento/regularidade frente a GLUI. No caso de algum Grande Oriente aceitar deficientes físicos, sendo portanto contrário ao landmark como ficaria esta situação? Este Grande Oriente poderia perder seu reconhecimento ou poderia ser tornado irregular? Obrigado.

    Kennyo Ismail – Prezado Luis Fernando, a GLUI aceita o ingresso de deficientes físicos e a mesma não adota os Landmarks de Mackey. Mesmo muitas que adotam os Landmarks de Mackey aceitam o ingresso de deficientes físicos, interpretando que a deficiência só deve ser levada em consideração se impedir o candidato de arcar com as despesas maçônicas sem prejudicar o sustento de si mesmo e de sua família.

    Enviado por Luis Fernando | 11 de abril de 2016, 11:13
    • Caro Ir Kennyo, fiquei curiosos, pois sempre ouvi que a UGLI seguia os 25 landmark de Mackey. Qual landmarck eles seguem?

      Kennyo Ismail – Os deles mesmos, assim como a maioria das Obediências no mundo, que possuem suas próprias compilações.

      Enviado por Luis Fernando | 15 de abril de 2016, 10:54
  27. Amado Ir.’.
    Exelente Peca de Arquitetura.Creio que deveria ser apresentada na P.’.A.’.F.’.L.’.,do G.’.O.’.B.’.,em Sessao Ordinaria,para apreciacao e discussao do merito,pelos nossos Dignos D.’.F.’. .
    T.’.F.’.A.’.
    Ir.’.Edison B.Capitani.’.
    M.’.M.’.
    C.’.I.’.M.’.237077.’.

    Enviado por Edison Benedetto Capitani | 21 de abril de 2016, 23:13
  28. Parabéns!

    Como é gratificante ler e obter informações seguras. Belo artigo. Me preocupo com alguns irmãos que após anos de loja passam pela necessidade de mutilação, regulares porém passam a estar em situação de dificuldade e acessibilidade.

    Enviado por Julio Merij | 7 de setembro de 2016, 14:21
  29. “Amai o próximo, como a si mesmo.”

    https://youtu.be/GX3aeliQfkI

    Enviado por Allan | 8 de novembro de 2016, 15:35

Trackbacks/Pingbacks

  1. […] DEFICIENTES FÍSICOS NA MAÇONARIA BRASILEIRA: UM ANTIGO TABU […]

Post a Comment

Informativo

Receba a melhor newsletter sobre maçonaria! Cadastre seu e-mail:

AdSense