Publicado em

PANDEMIA e COMPORTAMENTO MAÇÔNICO

Desde 2012 que estudo e pesquiso sobre comportamento organizacional na Maçonaria. Tenho livros e artigos publicados a respeito, além de lecionar o tema em nível de graduação e pós-graduação. E uma das bandeiras que venho defendendo em todos esses anos é da necessidade de se desenvolver e treinar novas lideranças para a Maçonaria.

A atual pandemia e os reflexos do distanciamento social sobre as organizações maçônicas têm imposto essa realidade e necessidade aos olhos de quem quiser ver. Nesse sentido, lembro-me que, em minha adolescência, meu pai me dizia que é fácil ser bom quando tudo está bem, mas que sabemos quem realmente é bom quando tudo está mal.

Pesquisas indicam que avaliações cognitivas e afetivas geram comportamentos. Isso parece óbvio: você pensa, depois age. Mas, em alguns casos, ocorre o contrário: de tanto agir de uma forma, mesmo encarando fatos irrefutáveis, você se obriga a manter sua avaliação inicial, de forma a não contradizer suas ações. Por isso do uso do termo “aos olhos de quem quiser ver”.

No meio organizacional, adaptado à Maçonaria, algumas das avaliações e sentimentos envolvidos são: a satisfação com a Maçonaria, o envolvimento com a Maçonaria e o comprometimento com a Maçonaria. Este último possui três dimensões distintas: o comprometimento afetivo, que é o vínculo emocional e com os valores da Maçonaria; o comprometimento instrumental, que é a necessidade psicológica de permanência; e o comprometimento normativo, que é a sensação de obrigação moral de permanência.

Todas essas avaliações e sentimentos são positiva e diretamente moderados pelas atividades maçônicas e suas frequências. Assim, quanto mais frequente em atividades maçônicas, maiores as chances de satisfação, envolvimento e comprometimento afetivo, instrumental e normativo. Aqui, ressalta-se que há outras variáveis impactantes nessa relação.

Estudos e pesquisas indicam que o comprometimento afetivo está fortemente relacionado com desempenho e não tanto com a permanência ou evasão, enquanto que o instrumental baixo gera maior intenção de faltar e, consequentemente, se afastar.

Resumindo a equação, a falta de reuniões e outras atividades maçônicas desencadeará em uma redução da satisfação, do envolvimento e do comprometimento. E a consequência disso será um maior absenteísmo e uma maior evasão quando do retorno dos trabalhos maçônicos pós-pandemia.

E como frear esse fenômeno? As organizações conseguem minimizar esses efeitos por meio da Percepção de Suporte Organizacional (PSO) e da manutenção do engajamento dos membros. A PSO é quando os membros percebem que a organização os valoriza, apoia, e se preocupa com seu bem-estar.

Atividades que proporcionem a percepção de preocupação e cuidado para com os irmãos geram um aumento da PSO, bem como aquelas que proporcionem a manutenção de contatos e interações, mesmo que virtuais, retém o engajamento. Com isso, pode-se manter níveis esperados de satisfação, envolvimento e comprometimento, reduzindo as chances de absenteísmo e evasão.

Gestores maçônicos que proporcionam ações intelectualmente estimulantes, condições de apoio e oferta de ajuda, proporcionarão maior satisfação e envolvimento, levando à renovação do comprometimento.

É agora, “quando tudo está mal”, que veremos “quem realmente é bom”.

12 comentários sobre “PANDEMIA e COMPORTAMENTO MAÇÔNICO

  1. Excelente o texto meu irmao. Realmente não está fácil.

  2. Bom dia!!!
    Gostei muito do artigo!!!
    TFA

  3. Penso que o momento é de reflexão! O Maçom comprometido certamente sente a falta do convívio e das reuniões presenciais. Talvez, aqueles que ainda carregam alguma dúvida terão neste momento a oportunidade de repensar as suas atitudes em relação ao abscenteismo, leitura e dedicação a Ordem. Quem sabe esse período proporcionará a separação do “joio e trigo”, tão logo retornarmos aos trabalhos!

  4. Perfeito!
    É a história de cultivar uma planta. Semear, regar e proteger. Caso contrário, murchará e definirá até morrer.

  5. No atual momento que estamos passando os encontros virtuais são de grande importância gerando uma alegria imensa em ver os irmãos e poder desenvolver temas de estudo e reflexão que só tem a acrescentar e somar para que à bondade esteja presente.

  6. Irm:. Kennyo, uma vez mais, irretocável no raciocínio cristalino e esclarecedor!
    Após a leitura, não pude deixar de relacionar o conteúdo com a ação do Grande Oriente de Santa Catarina (GOSC/COMAB), que completou sua efeméride de sete décadas (desde a fundação como Delegacia do GOB) ao longo da pandemia, realizando eleições democráticas e universais, com participação recorde de irmãos.
    Nessa linha, sem nenhum tipo de fisiologismo ou preferência pessoal envolta – até porque não foi minha opção eleitoral a época – mas tenho de reconhecer e exaltar a figura extraordinária do líder maçom Irm:. Rubens Ricardo Franz – Grão-Mestre do GOSC – principalmente quando citas: “meu pai me dizia que é fácil ser bom quando tudo está bem, mas que sabemos quem realmente é bom quando tudo está mal.”
    A nova administração eleita, representada pelo competente Irm:. Sérgio Wallner (Grão-Mestre eleito), certamente encontrará no cenário pós covid muitas dificuldades, mas, bem menores graças aos atos assertivos de seu predecessor, que quando chegou a pandemia, “não estava de pijama, mas sim, paramentado, de P:. e a Ord:.!
    Que sirva de inspiração para todos nós!
    T:.F:.A:.

  7. Ir:. Kennyo
    Estou tentando contato em função de sua palestra na Loja Tiradentes 65 no último dia 14/05 que infelizmente não consegui assistir pois a sala já estava lotada quando acessei.
    Fui seu aluno no curso de Maçonologia e tenho certeza que deve ter sido um ótimo trabalho.
    Se puder me contatar agradeço.
    Ir:. Sidney Horcaio
    011 999522814

  8. Excelente trabalho. Parabéns meu irmão.

  9. Considerando que esta “pandemia” é internacional, acredito q as lojas maçônicas de todo mundo, estão promovendo encontros virtuais, deverão então surgir novos rituais adaptados para estas situações. A maçonaria é universal, então por que não começar uma discussão a respeito?, já que passada esta crise mundial, ficará a opção de encontros online!
    MM Charles Pirovano

  10. Parabéns,pela rica e instrutiva citação; Devemos seguir esquadrinhando neste assunto, em intensa abordagem própria, vertida para buscar a criação de condutas que permitam a continuidade em melhor estado e desempenho da Maçonaria, e este sentido encontra-se recôndito nas mãos de cada um, o destino de um sonho, que é também de um destino e o sonho coletivo para os Irmãos que virão, e se reunirão para formar concebíveis lojas, Justa e perfeita.

  11. MUITO BOM RACIOCÍNIO. AQUI NA MINHA REGIÃO, MT, O GOB-MT JUNTAMENTE COM SEU SECRETÁRIO MARCOS RIBEIRO, DE EDUCAÇÃO E CULTURA ESTÃO PROPORCIONANDO UM ESTUDO SISTEMÁTICO DA SIMBOLOGIA E FILOSOFIA MORAL DO GRAU DE MESTRE, USANDO O “INSTRUCIONAL MAÇÔNICO” DO IRMÃO TITO ALVES DE CAMPOS. TODA SEGUNDA FEIRA VIRTUALMENTE. A LOJA “PERSEVERANÇA” DA QUAL SOU OBREIRO, PASSOU AS 17 LIÇÕES DE APRENDIZ DO MESMO INSTRUCIONAL DO IRMÃO TITO. AGORA , INICIAMOS AS LIÇÕES DE COMPANHEIRO. EM OUTRAS PALAVRAS, NUNCA EM NOSSA LOJA E NOSSO ESTADO ESTUDAMOS TANTO MAÇONARIA COMO ESTAMOS FAZENDO AGORA, GRAÇAS A TECNOLOGIA E A CIRCUNSTANCIA. LEMBRANDO QUE NOSSOS ESTUDOS ESTÃO ALCANÇANDO O ESTADO TODO DE MT, ALGUMAS LOJAS DO NORDESTE E SP.

  12. Excelente Peça de Arquitetura. Parabéns Irmão Kennyo. Abraço fraterno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *