Publicado em

TRANSFORMAÇÃO

Saindo das minas sujas e úmidas
E entrando nas florestas escuras
Com mantos negros e adagas pratas
Buscando na luz do fogo a cura

Carbonários, eles tem o que precisam
Para a madeira, serra e machado
E nas outras horas, nas cidades
Modelam o povo com todo cuidado.

Enquanto isso, nas catedrais
Gravando suas marcas nas colunas
Vestindo aventais e portando ferramentas
Com nível e prumo a obra se consuma

Maçons, seus dias dividem-se em três
Trabalho, descanso e sociedade
Constroem templos à virtude
Que nos homens livres invade.

Em outro lugar, sobre livros e vidros
Lendo páginas, misturando líquidos
E usando capuz, anéis e amuletos
Fazem as lições dos tratados lidos

Alquimistas, eles estudam e pesquisam
Seja química, física, biologia ou magia
Seguem à procura da Pedra Filosofal
E os segredos que ela encerraria

Transformar carvão em diamante
Transformar pedra bruta em polida
Transformar chumbo em ouro
É ter na evolução o sentido da vida.

Seja carbonário, maçom ou alquimista
É a transformação o principal fim
Não de tais materiais que se avista
Mas do homem que enxerga dentro de si. 

Kennyo Ismail
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *