Publicado em

ADEUS A UM HERÓI MAÇÔNICO

Livros, contos e filmes contam histórias de amor. Não apenas do clássico amor entre um homem e uma mulher, mas também do amor fraterno, do amor paternal e maternal, do amor filial, ou mesmo do amor de um cão por seu dono. Alguns amores são difíceis de classificar. Eu explico:

Havia nesta terra um homem chamado Aprígio Furtado de Oliveira Primo, mas ninguém o conhecia pelo nome. Todos, desde que ele era pequeno, habituaram-se a chamá-lo de “Camarada”. E, durante seus quase cem anos de vida, a maioria das pessoas que conviveram com ele nem ao menos sabia seu nome verdadeiro, pois sempre o conheceram e o chamaram de Camarada.

E por que alguém ganha, desde criança, o apelido de Camarada? Simples, porque ele sempre foi exatamente isso, amigo de todos e sempre disposto a ajudar, até mesmo desconhecidos.

Quando nasci, havia uma geração entre eu e ele. Ele é meu avô, pai de minha mãe. E quando fui batizado, ele tornou-se meu padrinho. Já na adolescência, admirando a Maçonaria por saber que ele era maçom, ingressei na Ordem DeMolay e ele tornou-se meu tio. E, anos depois, quando fui iniciado na Maçonaria, lá estava ele, chorando de alegria por eu ter me tornado seu irmão.

Então como eu poderia classificar esse amor que sinto? Amor de neto? De afilhado? De sobrinho? De irmão? Gosto de pensar que de todos e muito mais. Pois, além de tudo isso, o Camarada era meu amigo. Daquele amigo que é companheiro de estrada, com quem tive a oportunidade de rodar o interior de nossas Minas Gerais tantas vezes. Daquele amigo com quem desabafamos, pedimos conselhos, contamos segredos.

O Camarada, apesar de pouco estudado, era um leitor voraz. Lia até jornal velho. E era um verdadeiro apaixonado pela Maçonaria. Foi iniciado na Loja “Luz e Humanidade”, do GOB-MG, em Patrocínio. Ainda Aprendiz, mudou-se com a família para Unaí, cidade então muito nova e desprovida de lojas. Ele ia toda semana de jipe, em estrada de terra, para Paracatu, a cem quilômetros de distância, para frequentar as reuniões da Loja “Nova Luz Paracatuense”, também do GOB-MG. As duas lojas então trocaram correspondências e combinaram que ele receberia as instruções, apresentaria trabalhos e passaria pela sabatina em Paracatu e, quando aquela loja informasse à loja de Patrocínio que ele estava pronto, esta marcaria seu aumento de salário. E assim foi, até que o Camarada tornou-se Mestre.

Já Mestre Maçom, o Irmão Camarada reuniu-se com outros irmãos que viviam em Unaí e fundaram a primeira loja daquela cidade, “Mestres do Rio Preto”, no GOB-MG, tendo aquele grupo de irmãos escolhido o Camarada como seu primeiro Venerável Mestre. Alguns anos depois, quando Athos Vieira de Andrade, mineiro, “ganhou mas não levou” a eleição para Grão-Mestre Geral do GOB, culminando no surgimento da COMAB, muitas lojas de Minas decidiram por seguir Athos, entre elas a “Mestres do Rio Preto”, de Unaí.

Posteriormente a isso, o Irmão Camarada mudou-se para Uruana de Minas, ajudando a fundar a Loja “Nova Luz Bonfinopolitana”, GOMG-COMAB, em Bonfinópolis de Minas, a oitenta quilômetros de Uruana. Voltou assim a enfrentar semanalmente uma estrada de terra por conta de Maçonaria. Durante sua permanência em Uruana de Minas, deu assistência a um senhor, de passagem pelas proximidades. Esse senhor era um irmão, Celso Sérgio Ferreira, então Grão-Mestre da GLMMG. Dali nasceu uma grande amizade.

E quis o GADU que o Camarada retornasse a viver em Unaí depois de alguns anos. Foi então que aquele seu amigo, Celso Sérgio Ferreira, pediu para que ele auxiliasse outros irmãos que tinham por missão fundar uma nova loja em Unaí. Assim nasceu a “Acácia Unaiense”, da GLMMG. Lembro-me que, na ocasião da instalação da Loja, eu tinha apenas 10 anos e o “tio” Celso me sentou no colo e me perguntou se eu era bom em geografia. Ingênuo, respondi que sim. Então ele me fez dizer o nome de cada estado brasileiro por região geográfica. Quando chegou no Nordeste, a coisa complicou… e acabei esquecendo-me de Sergipe! O tio Celso então me disse que a próxima vez que voltasse a Unaí, me cobraria as capitais! Com receio de errar novamente, tratei de dar mais atenção e valor às aulas de geografia.

O tio Celso era, além de Grão-Mestre, Oficial Executivo da Ordem DeMolay para Minas Gerais. Por meio dele, o Irmão Camarada teve conhecimento sobre o que é a Ordem DeMolay. Ele passou anos defendendo a ideia de fundação de um Capítulo DeMolay em Unaí, encontrando enorme resistência. Esse projeto somente foi possível quando o filho de um maçom, foi estudar em Uberlândia e lá ingressou na Ordem. Assim, passou-se a ter mais maçons a favor do projeto, até que o mesmo tornou-se realidade. E lá estava o tio Celso com o meu vovô Camarada em minha iniciação na Ordem DeMolay. Meus dois padrinhos.

O pouco que sei da vida na roça, entre tirar leite, tocar berrante e gostar de uma boa moda de viola, aprendi com o Camarada. Mas seu exemplo ensinou-me muito mais, e o desejo de manter-me digno de ser seu neto, afilhado, sobrinho, irmão e amigo, manteve-me reto.

Quando fui iniciado na Maçonaria, na “Alvorada”, da GLMDF, em Brasília, ele não se contentou apenas em se fazer presente. Ele filiou-se à Loja e vinha de Unaí, de ônibus ou de carona, por 170 km, com certa frequência. Pelo menos, as estradas já não eram mais de terra. E ele ainda ajudou-nos a fundar a Loja “Bandeirantes” e a Loja “Flor de Lótus”.

Dediquei livros maçônicos que escrevi a ele, mesmo depois que ele queixou-se de que, infelizmente, não tinha mais visão, memória e raciocínio para ler. Isso porque as dedicatórias nunca foram para agradá-lo, mas para homenagear um maçom que enfrentou, por décadas, estradas de terra de madrugada, voltando para casa após incontáveis reuniões maçônicas em outros Orientes. Um maçom que nasceu no GOB, cresceu na COMAB e envelheceu na CMSB, sem nunca fazer qualquer distinção de irmão por rito ou potência. Um maçom que se dedicou à Ordem DeMolay e serviu de conselheiro e exemplo para dezenas de jovens, muitos dos quais passaram a também chamá-lo de “vovô Camarada” por compartilharem desse sentimento. E o maçom que ensinou-me a amar a Maçonaria por vê-lo, durante todos os dias da minha vida, viver a Maçonaria e seus ensinamentos 24 horas por dia.

Ele nos deixou no dia 19 de maio deste ano de 2020, aos 93 anos de idade, quando seu espírito prevaleceu sobre a matéria.

Obrigado, vovô Camarada, por tudo. Nada que eu fizer pela Ordem chegará perto do que o senhor fez por mim e por ela.

12 comentários sobre “ADEUS A UM HERÓI MAÇÔNICO

  1. Excepcional relato, meu irmão Kennyo, tão emocionante e detalhado que me fez ter ainda mais vontade de ter conhecido o grande irmão Camarada! Que GADU o receba de braços abertos e que o vovô Camarada o ajude a olhar por nós aqui na Terra! Fraternal abraço!

  2. Emocionante o artigo.
    Que GADU receba em seus braços e que seu exemplo sirva para todos nós.

  3. Um abraço apertado e meus sinceros sentimentos, caro irmão, que ele possa ser escrito no livro da vida.

  4. Luz, Paz e Conforto aos Amigos, Irmãos e Familiares. JJ.

  5. Padrinho camarada o senhor é sempre será meu tio por parte de mãe, meu padrinho de batismo ,meu amigo,meu segundo pai sei que senhor sempre soube disto . Apesar de não poder estar presente com muita frequência em sua vida em Unaí, más em Uruana tive uma frequência maior com muito amor recíproco. Como moro são paulo não era fácil com dois empregos ter tempo para viajar à Unaí para ver meu pai querido .más sei que ele sabia disto como minha madrinha ,meu amor por eles são eternos .jamais passou meus pensamentos perder as duas pessoas mais importantes minha vida meu pai Roberto Jerônimo ,meu pai e padrinho camarada más sei que os dois estão juntos pois amizade deles era mais que irmãos isto é o que me dá forças superar a perda.amo muito vocês só tenho a agradecer tudo que me foi encimado com honestidade,sabedoria,valor e a maior de todas a alegria de viver .

  6. Mano, que relato maravilhoso e emocionante. Meus sentimentos.

  7. Querido irmão Kenio tive a oportunidade de conhecer o irmão Camarada, então pouco tempo, pude observar, uma pessoa alegre, sincero, devotado a ordem, e com uma imensa vontade de passar-mos conhecimentos maçonicos, observei a felicidade quando de sua iniciação na Alvorada 01 estampada em sua face, pleno de satisfação, muito emocionante, rogamos ao GADU que tenha um lugar reservado onde os homens virtuosos, e merecedores possam estar, fique com Deus e um grande abraço.

  8. Meu grande amigo e irmão Kennyo.

    Quantas lembranças…

    Me lembro quando a tarde, antes de irmos nadar, passávamos na casa dele. Se íamos cedo, ele estava lendo algum livro na sua cadeira que se transformava em uma espreguiçadeira (sempre leu muito mas não acho que seu conhecimento tenha vindo dos livros, ele era sábio de mais para ter adquirido sua sabedoria em um papel) e como eram gostosas aquelas tardes de conversa, se chegávamos mais tarde ele estava tirando leite de cabras.
    Foi o primeiro grande homem que conheci.
    Me lembro das viagens pela Ordem Demolay para Paracatu, Patrocinio, Araxa, Poços de Caldas entre outras. Ele tinha mais vigor que eu tenho hoje, e como ainda hoje admiro sua força de vontade.
    No seu relato acima muitos pontos importantes foram sabiamente esquecidos, e estes pontos me fazem ver que ele era um verdadeiro Maçom. Me lembro, quando adolescente, da primeira vez que me desiludi com a Maçonaria – certamente vc se lembra melhor que eu dos fatos – e ele de forma muito sabia me explicou que o Maçom não é perfeito e sim um ser em busca da perfeição. Semanas depois ele me contou outras tantas histórias não agradáveis que ele viveu na Maçonaria , no entanto as que eu mais gostava eram da sua infância no Carmo, das suas namoradas de adolescência (que sua esposa ainda tinha ciumes) e do seu casamento com sua esposa.

    Hoje me sinto feliz por poder dizer que durante minha adolescência tive um Grande Mestre Maçom me guiando e rogo que eu possa retribuir ao mundo o conhecimento e sabedoria que ele me confiou.

  9. ah meu irmão Kennyo, tentei ler sem chorar, mas não consegui. pois tive um “avô camarada” na minha vida que me deixo cedo demais, seu nome era Valdir Régis.

  10. Caro Kennyo,
    Meus sentimentos e obrigado por compartilhar a jornada do irmão Camarada!
    Alegro cada vez mais por entrar nesta ordem tão fraterna quando leio relatos assim!

  11. Que o Grande Arquiteto do Universo receba nosso Irmão Camarada…

  12. Aprendemos na Maçonaria a ser bons filhos, bons maridos e bons pais. Teu txt comprova tudo isso, pois nenhum é bom neto sem ter sido bom filho. Parabéns pelo teu avô e pelo escrito. TFA

Deixe uma resposta para Rodney de Oliveira Jeronimo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *