Publicado em

Retrospectiva Maçônica do DF

Nos últimos anos, tenho me dedicado a pesquisar a maçonaria brasileira e a fomentar a educação maçônica em nosso país. Tive a oportunidade de fazer pesquisas, escrever artigos e livros, criar revistas, desenvolver uma plataforma de EaD para Maçonaria, realizar palestras, eventos, seminários, congressos, etc. Enfim, tentei fazer a minha parte e dar minha contribuição para nossa Sublime Ordem. Fiz e ainda faço isso porque, apesar de parecer suspeito, enquanto professor, acredito que apenas pela educação uma nação pode prosperar significativa e longamente. E na maçonaria não é diferente.

Na nossa última pesquisa de campo, a pedido da CMI – Confederação Maçônica Interamericana, tem-se, dentre vários resultados, que o maçom brasileiro está extremamente insatisfeito com os conflitos entre as obediências maçônicas do país, e que o nível da educação maçônica brasileira está baixíssimo.

Pois bem, o ano de 2018 está findando e, ao fazer uma breve retrospectiva do mesmo, sinto-me, no que tange à Maçonaria, satisfeito, especialmente pela Maçonaria do Distrito Federal, que, talvez, nunca tenha experimentado uma fase tão harmoniosa e próspera como nos últimos anos, incluindo este.

Se o maior motivo de insatisfação do maçom brasileiro são os conflitos entre obediências, a Maçonaria do Distrito Federal, tendo Cassiano e Lucas Galdeano à frente da GLMDF e do GODF, tem experimentado um período de união, harmonia e fraternidade como nunca se havia visto em quase 50 anos de convívio mútuo. Quanto a COMAB, a GLMDF se orgulha de ter sido a primeira obediência que, mesmo não contando com um Grande Oriente da COMAB em seu território, reconheceu seus principais confederados. E, nesse mesmo sentido, o GODF, por meio de seu Grão-Mestre, Lucas Galdeano, teve a coragem de apresentar sua proposta ao GOB de união da Maçonaria brasileira, sugerindo abertura para processos de reconhecimento dos Grandes Orientes da COMAB. Infelizmente, o então GMG do GOB colocou a proposta “sob o malhete”, mas, por sorte, o atual está começando a abraçar a ideia.

Os reflexos dessa ótima relação entre GLMDF e GODF, capitaneada por seus Grão-Mestres, Cassiano e Lucas, são vistos em cada evento conjunto que realizaram e em cada grande evento de uma obediência, que sempre contou com a presença do Grão-Mestre da outra. Mais recentemente, ocorreu, por exemplo, o famoso Natal Solidário, coordenado pela Loja Estrela D’Alva (GLMDF) e que contou com o atendimento da Unidade Móvel Odontológica do GODF.

E se o nível da educação maçônica está tão baixo no Brasil, como pudemos constatar na mencionada pesquisa para a CMI, o GODF e a GLMDF também têm feito suas partes. O irmão Lucas Galdeano não poupou esforços para criar o curso de Pós-graduação em História da Maçonaria em parceria com a UnyLeya, curso esse pioneiro no país e que serviu de inspiração para outros, que têm obtido muito sucesso em colaborar com essa bandeira. Ainda, o GODF tem realizado seu Curso Básico de Formação Maçônica, com duração de um ano e voltado para a complementação instrucional de seus membros, e que também abre suas portas e conta com membros da GLMDF como alunos. Já a GLMDF fez grande investimento para criar a Biblioteca do Aprendiz, proporcionando excelente espaço e mais de dois mil títulos, incluindo obras raras, à disposição dos irmãos interessados na literatura e pesquisa maçônicas. E as duas obediências juntas, GLMDF e GODF, também tornaram possível a realização do I Congresso Internacional de Ciência & Maçonaria, realizado na UnB, que contou com palestrantes de renome internacional, como José Antonio Benimeli (Espanha) e Guillermo de Los Reyes (EUA).

Assim, imagino que as razões de minha satisfação com o atual rumo da Maçonaria Distrital estejam claras. E, aproximando-se do final de ambas as gestões, também acredito que posso afirmar que Cassiano e Lucas já mais do que cumpriram seus deveres. Eles deixam um legado a seus sucessores. Legado esse que deve ser respeitado e interpretado como uma belíssima missão a ser continuada.

União e Educação. Essas duas bandeiras valem à pena. Maçons constroem, não destroem. E uma construção somente é sólida e duradoura sobre uma base forte, que apenas a educação pode proporcionar. Que venha 2019!

8 comentários sobre “Retrospectiva Maçônica do DF

  1. Vamos torcer para que as realizações da maçonaria do DF sejam inspirações para o restante do nosso país. Parabéns mano e uma boa festividade de final de ano!

  2. Caro Kennyo,
    Belíssima e acertada abordagem.
    Parabéns

  3. Maçonaria é união.

    Sinto muito orgulho de ter sido iniciado no meio desse clima de união e fraternidade verdadeiros. Que esse legado sirva de exemplo para todo o país, e que em breve a maçonaria brasileira seja unida.

  4. Kênnio. A sua luta em prol de uma maçonaria unida, fraterna e mais “luz”, faz com que abracemos entusiasticamente sua causa.

  5. Sou de Manaus e fui indicado para iniciar em uma loja da COMAB. O Veneravel Mestre da loja me aceitou e preenchi os termos. Era necessário pagar a taxa de iniciação. Porém, ao me informar com o meu padrinho da ordem, ele me disse que a mesma não era reconhecida perante a GLOMAM. Por este motivo, nao continuei a iniciação. Minha duvida é, como faço para ter certeza de que não haverá conflitos se eu iniciar no COMAB? Agradeço a atenção.

  6. Prezado Prof. Kennyo Ismail.
    A maçonaria brasileira desde seu inicio tem tido dissenções e rupturas. A maioria delas por defesa de interesses pessoais e de pequenos grupos que se alojam no poder e não querem entregar esse poder a outros. A divisão da maçonaria regular no Brasil em três potências: COMAB, CMSB E GOB não tem solução a curto ou médio prazo e mesmo a longo prazo para uma proposta de unificação em torno de uma só, a única possibilidade (smj) é o reconhecimento e amplitude territorial entre elas, fazendo com que todos os obreiros das lojas filiadas a essas Obediências/Potências, sejam livres para intervisitação, comemorações festivas e trabalhos sociais. Juntos podemos mais, construirmos mais e trabalhamos mais para o bem do ser humano.
    Aproveito para parabenizá-lo pelo digno trabalho desenvolvido em prol do conhecimento da Sublime Ordem. Abraço fraterno.
    Antônio Juliano Breyner

  7. Espero também que essa união fraternal entre as Potencias sejam consolidadas perfeitamente havendo um único corpo maçônico, sem nenhum tipo de barreira. por outro lado, e intensificando o primeiro, espero que a Educação maçônica evolua em nosso meio de maneira mais rica e profunda, pois só por meio desta teremos paz e união entre nós e teremos o âmago da Maçonaria sem nos perdermos pelo caminho. Estou em pé e a ordem para, pelo menos na minha Loja e na Filosófica onde frequento, poder favorecer aos estudos maçônicos. Parabéns Kennynio pelo seu trabalho que tanto inspira.
    Alessandro Pereira

  8. Que tudo seja resolvido e a UNIÃO, seja vencedora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *