Publicado em

O BODE & A MAÇONARIA

Todos já ouviram falar de alguma história relacionando um bode preto com a Maçonaria. As histórias geralmente são de que você precisa montar em um bode preto para iniciar, ou que o Deus da Maçonaria é um Bode preto.
Para explicar essa questão histórica da crendice popular relacionando a Maçonaria com o uso ou culto de um bode, os próprios Irmãos Maçons, sem encontrarem nenhum indício que justificasse tal crença, buscaram uma explicação plausível. A lenda que surgiu para isso, e que foi eternizada pelos escritos do célebre irmão José Castellani, é bastante conveniente:
Dizem que havia um costume antigo entre os judeus que viviam na Palestina nos primeiros séculos da cristandade: os homens costumavam confessar seus pecados para um bode. O bode era um animal muito comum na região e, evidentemente, não pode passar o pecado confessado para frente. Dessa forma, os homens se sentiam mais aliviados pela confissão e seguros de que os pecados revelados nunca seriam contados a ninguém. Dizem ainda que o apóstolo Paulo, em contato com esse antigo costume, implementou a confissão na Igreja. Foi então que, mais de mil anos depois, durante a Inquisição, muitos maçons foram presos e torturados para que contassem os segredos da Maçonaria, porém, nenhum contava. Por conta disso, os clérigos responsáveis pelos inquéritos, conhecedores da origem da “confissão cristã”, diziam que os maçons eram como os bodes, que nunca contam os segredos.
Apesar da beleza dessa história, que reforça a lealdade maçônica aos juramentos prestados, não há nenhum embasamento para essa lenda. Ao contrário, existem fortes indícios ao contrário:
A “confissão auricular” era um antigo costume religioso romano. Há quem diz que foi defendida pelo Apóstolo Paulo, que considerava todos os sacerdotes da Igreja como sendo os sucessores espirituais dos Apóstolos, e interpretava  que Jesus concedeu aos seus apóstolos o direito de perdoar os fiéis de seus pecados. Porém, a confissão auricular só se tornou obrigatória no IV Concílio de Latrão, por volta de 1215 d.C. Pessoas consideradas “santas” como Santo Agostinho morreram sem nunca terem se confessado. 

Não há qualquer registro da Igreja Católica ou mesmo no Judaísmo que faça qualquer referência ao suposto antigo costume de se confessar a um bode. Também não se tem notícia de algum registro de inquérito da Inquisição em que os responsáveis se referem aos maçons como “bodes” por guardarem segredos. Essa lenda não possui sustentação histórica.
Por outro lado, há outro fato histórico diretamente relacionando Maçonaria e Bode que poderia justificar essa crendice popular: Baphomet.


Baphomet por Eliphas Levi



Quando os Templários foram presos e torturados, uma das várias acusações sobre a Ordem do Templo e seus membros era de que eles veneravam um Deus que possuia corpo de homem e cabeça de bode, o qual chamavam de “Baphomet”. Na época, o povo relacionava o bode com o diabo, pois o bode fede e tem chifres, assim como a visão ocidental do diabo. O nome Bathomet era uma mistura clara de “bode” com “maomé”. É claro que se tratava de mais uma acusação absurda da “Santa Inquisição”, a qual nunca foi provada, mas justificou por 07 anos a tortura de vários inocentes.
Alguns séculos após o fim da Ordem dos Templários e a condenação de seus líderes à fogueira em 18 de Março de 1314, a Igreja Católica resgatou tal acusação para difamar a Maçonaria. A figura do Baphomet ressurgiu dos arquivos do Vaticano para servir de ilustração da campanha difamatória contra a Maçonaria. Desde então a imagem de um homem com cara de bode está diretamente ligada à Maçonaria na mente dos ignorantes ou mal intencionados. Já a Maçonaria, como não poderia deixar de fazer, levou e leva tais crendices pelo caráter jocoso e tem adotado o bode quase como um “mascote”.
Agora que você sabe a verdade, essa estória de cochichar na orelha do bode realmente soa meio absurda, né?

19 comentários sobre “O BODE & A MAÇONARIA

  1. Realmente era de costume judeu espiar os pecados sobre um bode, esse era um serviço imprescindível do santuário e logo depois do templo de Salomão, como relata essa citação:

    Quanto ao bode sobre o qual caiu a sorte para Azazel, será apresentado vivo ao Senhor, para que se faça a expiação sobre ele, a fim de enviá-lo a Azazel, no deserto. Levítico 16:10.

    TFA.

  2. Meu Irmão Douglas,
    Esse trecho trata de sacrifício. Expiação significa isso: sacrifício, penitência, sofrimento.
    Essa passagem de Levítico deixa isso muito claro, pois se trata dos dois bodes: o "bode expiatório" e o "bode emissário". O bode expiatório era o que você sacrificava no templo. O bode emissário era o que você abandonava para sofrimento no deserto. O Sumo Sacerdote "depositava" os pecados na cabeça do bode emissário com ambas as mãos e depois o enviava para o deserto, para que levasse os pecados do povo para longe.
    O entendimento é que o Sumo Sacerdote não fazia uma confissão verbal ao bode emissário, até porque tratava-se dos pecados de todo o povo de Israel, e ele não sabia os pecados de todas as pessoas. Além disso, ele ficava com ambas as mãos sobre a cabeça do bode, o que não seria uma posição de confissão e sim de transmissão dos pecados. E lembrando que esse bode emissário estava fadado a uma morte agonizante no deserto.
    Se houvesse mesmo esse costume judeu, o povo teria morrido de fome, pois todos os bodes teriam que ser exilados logo após a confissão.
    Mas cabe sim uma discussão sobre o tema.

    TFA,
    Kennyo Ismail

    1. Ótimos artigos e comentários, meu prezado Ir. Kennyo.
      Sobre “o bode na maçonaria” há diversas interpretações, como as já citadas. Alguns queriam relacioná-las com “boddi” do budismo; nada a ver, pois, o termo existe em outras línguas como “goat” em inglês.
      Embora, eu não conheça nenhuma literatura a respeito, gostaria de relacionar o termo com a tragédia grega, onde tragédia em grego antigo significa “canto do bode” e tinha por fim produzir uma catarse no público. Ver:
      http://pt.wikipedia.org/wiki/Trag%C3%A9dia_grega#Trag.C3.A9dia_grega
      Assim, poderíamos ter as tragédias de Osiris, de Cristo, do Mestre Hiran-Abif.
      Bom, como dizem, “se non è vero, è ben trovato”.
      Desculpe minhas elucubrações.

      Um TFA.

  3. Neste momento gostaria de dar os parabens, pela informações foi de grande valia para mim, eu iniciei em 20de agosto de 1990 ainda ñ tinha lido a respeito, ieri ler em minha loja filiado, como eu sou o orador de oficio passarei estes esclarecimentos aos meus irs:..
    Muito satisfeito.
    Um TFA:.
    João Cortes:.

  4. sou contra essa associação, embora participe dos "Bodes do Asfalto"

  5. POVO APRENDAM A LER COISAS SERIAS E A ENTENDER A RZÃO, A RACIONALIDADE E A VERDADE. NÃO O QUE QUEIRAM QUE VOCES ENXERGUEM MAS A REALIDADE. A MAÇONARIA É COISA SERIA , HONESTA E VERDADEIRA….É UMA FILOSOFIA A NÃO SEITA NEM RELIGIÃO HÁ MAÇONS EVANGÉLICOS, HÁ PADRES MAÇONS SÓ NÁ HÁ MAÇONS IGNORANTES E CEGOS PELA IDIOTICE DOS OUTROS…

    1. Geovane venancio, compartilho de sua opinião. Eu tenho uma visão da Maçonaria como uma Filosofia, e não Seita ou Religião.

      E fico mais maravilhado ainda com cada novo aprendizado sobre a fraternidade.

      T.’.F.’.A a todos Ir.’.

  6. o que mantem vivo nossa historia somos nos que aprendemos com ela
    e nossos ensssinamentos mais foi muito curioso obrigado
    abraços fraternais

  7. Caro amigo, parabéns pelo blog!
    Muito bom e repleto de dados interessantes. Sobre essa querela do bode preto, não tenho dúvidas.
    O Bode associado aos MLAA vem dos cultos dionisíacos, combatidos posteriormente pela Igreja (e tratados como “coisa do demo”). Quem “vinga direitos da natureza” é taxado de encapetado,e pode ser representado por um bode. O bode expiatório ou emissário absorvia todos os pecados da comunidade – um indivíduo era suficiente para zilhões de culpas. AAAbços!

  8. Não era um bode, era um cordeiro, sabe… uma ovelha.
    Bode significa impureza, ao contrario da ovelha branca, q significa um ser puro, sognificava Jesus. Por isso os judeus se confessavam a OVELHA.

    Kennyo Ismail – Bonita história, mas não. Eles não se confessavam a bodes, nem a ovelhas, nem a ETs. Eles simplesmente não se confessavam. Teologicamente não precisavam da figura da confissão, visto que possuíam a cerimônia do bode expiatório.

    1. Quando Deus deu o mandamento referente a sacrifícios,era um cordeiro macho,sem mancha….mas depois do êxodo outros animais foram aceitos como sacrifício,inclusive no tabernáculo como pombas, bois e bodes…e realmente essa forma de expiação dos pecados sobre o bode acontecia.Esta na Bíblia.Talvez exista todo esse estigma sobre o bode pelas palavras de Jesus quando disse q a sua direita estariam suas ovelhas e a esquerda o bode como representação dos incrédulos.

  9. Querido Mano Kennyo,
    O texto do Irmão Castellani, o qual você citou, é apócrifo e, quando em vida, ele chegou a esclarecer a alguns Irmãos que não era de sua autoria. Una barbaridade da qual ninguém está livre.
    De fato as abordagens dele para o assunto, são diversas da encontramos neste texto que crassa pela WEB. Para conferir, basta ver as duas obras em que o fez: o Dicionário Etimológico Maçônico (PG 80) e o Consultório Maçônico (Vol XII Pág 46).
    O Baphomet é uma possibilidade bastante lógica, mas existem indícios bem consistentes de que o caprino ingressou nas ordens iniciativas (ele não é exclusividade nossa_ por meio dos Odd Fellows, no final da primeira metade do Séc. XIX… Mas aí acho que já é assunto para um próximo encontro no Sebinho. Receba meus abraços à moda.
    Túlio.

  10. Meus irmãos, agradeço muitos pelos ensinamentos, iniciei dia 05/10/2016 e é tudo muito novo pra mim. Vou ficar de olho nos novas comentários. CAM a todos os irmãos!

  11. Kennyo, qual o seu grau na ordem: 33?

    Kennyo Ismail – A Ordem não tem graus. São os ritos que os têm. No REAA, que tem 33 graus, sou 33.

    1. Os Símbolos seguidos de uma ritualística teatral faz despertar interiormente aquilo que esta adormecido a muito tempo dentro de si.
      O bode é um símbolo forte, e usado para expiação e emissão. Um bode preto um cordeiro branco, uma coluna solar outra lunar. A dualidade é bem exposta e o equilíbrio entre ambas brota pilar central de Hermes, o falo regenerado de Osiris em que se da a concepção do Cristo Cósmico interior ou o Horus regenerado. A Rosa na Cruz. P.P.

  12. “todos os preconceitos são filhos da ignorância”

  13. Olá amigos!
    Acredito que a inquisição tem total responsabilidade sobre esta historia, ao encontrem a imagem do Baphomet de Eliphas Levi com os templários e a associarem aos cavaleiros.

  14. A maçonaria adotou o bote como mascote? Tem que ser um ignorante para acreditar nisso também? Fosse isso verdade, não teriam a necessidade de quase em tudo que expõem ao público, como em propagandas e comerciais por exemplo. Um inclusive que acabo de assistir de uma construtora famosa que no início de seu anúncio em vídeo, destaca um homem afeminado sentado numa poltrona vermelha e este estava parado exatamente como o baphomet (posição do corpo e membros) Quando vi, meu subconsciente acusou na hora que eu já tinha visto aquela imagem em algum lugar, (mensagem subliminar) por isso cheguei até este blog, porque fui procurar a imagem que meu subconsciente me mostrara, adivinha?! O homem está sim copiando o baphomet neste comercial. Como eu julgo que esta empresa é maçom? A maioria das empresas no mundo tem alguma ligação maçons e a maçonaria, isso não é mito. Se a maçonaria não adora esta figura (entidade) que está historicamente ligada a ela quem o está adorando?

    Kennyo Ismail – Cada um acredita no que quer acreditar e enxerga o que quer enxergar. Tem gente que enxerga baphomet em um cara sentado numa poltrona! Vai entender… Tem gente que acredita que a maioria das empresas no mundo tem alguma ligação com Maçonaria, mesmo a Maçonaria contando com apenas 3 milhões de membros dentre 7 bilhões de pessoas no mundo e não existindo em dezenas e dezenas de países. Essas pessoas, sem um mínimo de senso crítico, são as grandes propagadoras de fake news e de teorias da conspiração. O único fato sobre esse assunto é que a Igreja acusou primeiramente os templários de adorar baphomet, o que, séculos depois, descobriu-se não ser verdade e a Igreja já até manifestou pedidos de desculpas por esse erro. Mas essas pessoas que enxergam mensagens subliminares em tudo, que confundem os sintomas de um transtorno de personalidade com subconsciência, repetem a mesma teoria da conspiração, trocando apenas o alvo de seus devaneios. Deve haver alguma instituição que adora baphomet, mas a Maçonaria não é uma delas. Se fosse, não trairia sua adoração esclarecendo que não a faz. Os únicos que vejo adorando baphomet são os que enxergam baphomet “subliminarmente” em tudo que vêem, pesquisam sobre baphomet na internet, etc. Esses são os verdadeiros e talvez únicos adoradores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *