Publicado em

UPGRADE: a divisão DeMolay e sua unificação

Apenas algumas horas após a divulgação do último artigo, no dia 18 de maio, no qual Thiago Rijo expõe as diversas tentativas frustradas de unificação realizadas desde 2004, o SCODB divulgou uma nova proposta de unificação endereçada ao SCODRFB (clique aqui para ver a proposta). A proposta foi utilizada no dia seguinte, 19 de maio, para tentar adiar a decisão do GOMG – Grande Oriente de Minas Gerais, atualmente a Obediência que mais patrocina capítulos do SCODB, de retirar seu apoio ao SCODB e passar a reconhecer apenas o SCODRFB, como ocorreu nos outros Grandes Orientes confederados à COMAB. Entretanto, a decisão favorável ao SCODRFB foi aprovada e será publicada no próximo boletim oficial daquela Obediência, passando a valer a partir de sua publicação.

A nova proposta do SCODB também foi enviada ao DeMolay International, que respondeu, no dia 20 de maio, que apenas reconhece o SCODRFB como autoridade sobre a Ordem DeMolay no Brasil e, por isso, qualquer comunicação do SCODB deve ser feita apenas ao SCODRFB.

O SCODRFB confirmou o recebimento da proposta, cujas exigências estão sendo analisadas.

Espero que o processo de unificação não seja interrompido até que se logre êxito, resultando em uma Ordem DeMolay unida e harmônica no Brasil.

Um comentário sobre “UPGRADE: a divisão DeMolay e sua unificação

  1. A sua opinião de que a proposta foi utilizada para tentar adiar decisão do GOMG, não devia ser utilizada neste artigo. Transparece ofensiva aos olhos de quem não comunga dela.

    Kennyo Ismail – Hermano, veja que o texto não diz que a proposta foi criada para esse fim. Isso sim seria uma opinião e poderia soar ofensivo. O texto diz que foi utilizada para tentar adiar a decisão. E isso não é opinião. É fato. Sabe onde está o erro do texto? Quando diz que a proposta foi utilizada no dia seguinte, 19 de maio, pois omite o fato de que, já na noite do dia 18, a proposta, ainda quentinha, já estava sendo utilizada para tentar adiar a decisão do GOMG. Essa omissão foi feita justamente para evitar a interpretação, que acredito ser equivocada, de que a proposta foi criada exclusivamente para esse fim, e não apenas utilizada também para esse fim. Particularmente, acredito nas boas intenções dos dirigentes do SCODB que a redigiram, assim como não julgo, muito menos condeno, quem tenha feito o uso dela para tentar defender os interesses do SCODB perante o GOMG. Assim, talvez a ofensa não esteja em quem escreveu, mas em quem leu…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *